Nip/Tuck

Season 6 Episode 19

Hiro Yoshimura

2
Aired Wednesday 10:00 PM Mar 03, 2010 on FX
SUBMIT REVIEW

Episode Fan Reviews (5)

8.0
out of 10
Average
125 votes
  • The perfect series finale. This review is in portuguese...

    10
    Todas as séries precisam de um final. Existem argumentistas que optam por um final mais aberto mas outros por algo mais fechado. Eu, pessoalmente, não tenho preferência em termos de finais abertos ou fechados, prefiro ter algo bem feito e que depois possa dizer 'era exactamente isto que a série precisava para terminar em grande'. Nip/Tuck optou por um final fechado, mas será que o fez bem?

    Antes de ver o episódio li algumas críticas sobre e mesmo e muitas não eram favoráveis. Muitos diziam que não tivemos choque suficiente e outros não gostaram do destino das personagens num geral. Eu sinceramente o que queria, mais do que o choque barato, é que estas personagens que acompanhámos durante sete anos tivessem um final concreto. E foi isso que aconteceu! Adorei quase por completo esse último episódio de Nip/Tuck, e apesar de achar que iria ter algo 'diferente', foi um episódio que irei relembrar pela positiva. Começando por aquilo que menos gostei (e o único ponto negativo), temos um actor pornográfico na casa dos setenta como último paciente da clínica. Tudo bem que aquilo deu para descontrair um bocado do clima de despedida que se vivia, mas esperava algo mais profundo, algo que tivesse um papel importante na forma como terminariam Sean e Christian. É óbvio que a série não se iria despedir sem antes mostrar mais ousadia, algo a que nos habituou nestas sete temporada. A forma como o actor pornográfico morreu não deixou de ser engraçada, e tal como a meninas do filme disseram, ele morreu feliz, da forma como queria.

    E agora vamos então falar daquilo que gostei, ou seja, o resto. Em primeiro lugar temos a história do Matt e Ava. Ava, depois de conseguir realizar a cirurgia a Rafael, descobre que ele nunca será perfeito. Quem tão não é a perfeição em pessoa é ela, que após descobrir isso, deixa o pobre menino na clínica. Quando se avizinhava uma separação entre ela e Matt, eis que ele surge no aeroporto e os dois acabam juntos. O que eu gostei nesse final foi o facto de Matt terminar com quem queria, mas sabendo que Ava nunca lhe poderá dar o mesmo amor que ele lhe dá. Matt sempre foi uma personagem tão disfuncional, mas a verdade é que foi Ava o seu grande amor (algures na segunda temporada) e é com ela que ele quer passar o resto da sua vida. E ela finalmente tem alguém ao seu lado a quem já chamou 'perfeita' uma vez: Jenny, filha de Matt e Kimber.

    Liz tem, de uma vez por todas, o seu talento reconhecido quando é acrescentado um 'Cruz' à placa 'McNamara/Troy'. Ela foi uma personagem tão acarinhada pelos fãs da série mas ao mesmo tempo tão injustiçada, principalmente no amor. Ela nunca conseguiu encontrar alguém que a amasse verdadeiramente, mas a amizade dela com Christian e Sean era tão verdadeira que foi excelente ver ela ter esta surpresa. Sean, pai do futuro filho dela, começava a mostrar sinais de preocupação, mas num tom razoável e sincero ela pede-lhe que se afaste e a deixe criar o filho sozinha. Eu entendo a decisão dela, ainda para mais sendo uma mulher que gosta da sua independência. Julia também quer a sua independência e vai consegui-la e Londres, onde tem um futuro marido à sua espera. Sempre gostei da química dela com Sean, mas prefiro que ela termine sem ele do que inventarem uma razão às três pancadas para voltar a juntá-los. Antes de ir, Julia abre os olhos de Christian em relação à sua obsessão por Sean. É graças a ela que Christian consegue finalmente perceber que estava a matá-lo lentamente, a deixá-lo tão infeliz que o poderia colocar numa situação semelhante à de Kimber.

    Eu não estava à espera de um final feliz, longe disso, mas fiquei extremamente contente com a emoção dada ao jantar de despedida. Aquele jantar deixou mesmo o clima de despedida no ar, um sequência de imagens que me deixaram com o típico 'nó na garganta', quase a arrancar a lágrima do olho. É tão difícil ver que uma das nossas séries favoritas está a chegar ao fim, que depois deste episódio não temos mais nada do que meras recordações e episódios antigos para rever. A música muitíssimo bem escolhida deu um toque ainda mais especial e triste a esta cena, mas era isso mesmo que eu queria: emocionar-me com a despedida destas personagens, é sinal que elas realmente eram importantes para a minha admiração pela série. E se o jantar já tinha sido triste o suficiente, a despedida de Christian e Sean foi ainda mais. Estas personagens tinham uma relação tão forte que preferiam viver infelizes ao ter que passar por esta inevitável ruptura. Mais importante que isso é o facto de eles terem-se separado sem rancor, sem colocarem as culpas desta relação um no outro. A última cena foi marcada por um Christian igual a si mesmo, provando aquilo que disseram anteriormente sobre as pessoas não mudarem.
Thursday
No results found.
Friday
No results found.
Saturday
No results found.
More
Less